Monografia

Monografia apresentada como requisito obtenção do título de Especialista na Pós Modalidade de Ensino a Distância, Graduação em Educação – Métodos e Técnicas de Ensino, da Universidade Tecnológica National do Paraná – UTFR – University Medianeira.

RESUMO

Os direitos humanos estão relacionados com os conceitos de igualdade e democracia, justiça. Eles são uma expressão viva do que deveria prevalecer entre os membros entre indivíduos, de uma sociedade e Estados. E objetivo desta monografia ELIZABETH refletir sobre questões conceituais e formas de adaptação da cidadania em ambiente escolar situando categorias e dificuldades nas operacionalizações discursivas e como partes that are metodológicas do processo de aprendizagem cidadã. An abrange também e estudo da cidadania frente às ações já desenvolvidas pela escola that is investigação. Os resultados mais dos professores está a entre discurso e oriunda das contradições that is metodologia do sistema escolar. Quanto aos alunos, a falta de saberes e espaço nearby opõe- aos objetivos de diferentes esferas de interação. Além do silenciamento e da dificuldade de atuar em grupo. Tomamos como ponto de partida a bibliografia sobre os direitos humanos nossa atenção de políticas e intelectuais a respeito das principais polêmicas. Maior conhecimento local importantes de autonomia, Dos momentos de intervenção, podem se destacar melhoria na participação , formação pessoal e interpersonal do cidadão.

INTRODUÇÃO

Quando são debatidos aspectos relacionados aos direitos humanos que formaram e firmaram habitualmente consideramos as conquistas de direitos, a modernidade. Em um, estariam à liberdade EA civis propostas nas primeiras declarações junto à idéia de tolerância religiosa, de direitos.

Desde o reconhecimento público de que tais direitos teriam sido apropriados pelas primeiras declarações que os firmaram, rise uma segunda etapa no feitio dos direitos públicos, conferindo positividade e tornando concreta a legitimação e e reconhecimento dos direitos expressos nas filosofias das “Luzes”.

Á partir da Declaração p 1948 terá início uma terceira fase quando se propõe a tese de proteção jurídica dos direitos, cujo não-cumprimento torna possível an ação judicial contra o Estado, garantindo a vantagem do direito existente, dando força às reivindicações específicas por direitos essenciais a grupos sociais específicos.

A pesquisa trata sobre um entrelaçamento de aspectos concernentes ao discussion atual.

No discurso sobre educação, é freqüente oporem-se como antagônicas an idéia da democratização do ensino como extensão de oportunidades de acesso à escolarização EA idéia de uma qualidade de ensino que acompanhe padrões técnico-pedagógicos intrínsecos an uma suposta aplicação de teorias pedagógicas em sala de aula. No intuito de universalizar seu acesso, E assunto contempla a polêmica de que quando se irradia a, são incorporadas populações excluídas that is anteriormente do acesso à escola, e que ocasiona um de qualidade. Porém, conceber que os direitos that is devemos nascem não por nossa disponibilidade pedagógica, e se desenvolvem, mas por conjunturas históricas de formações sociais dadas.

Partindo de suas os homens criam comportamento e saberes se aperfeiçoando p geração em geração assimilar e modificar os modelos valorizados em uma determinada cultura.

Por meio da presente pesquisa pretende- analisar os principais aspectos dos direitos humanos e sua importância no educacional -se relaciona-los e identificar a do dos direitos humanos em diversos níveis de ensino.

Para tanto tratar-se- á p analisar conceitualmente a enquanto via do ser humano consciente e justo.

Procurar-se-á em seguida apresentar- o conceito de cidadania como base para uma educação voltada para o aprendizado e e respeito aos direitos humanos.

2. REVISÃO DE LITERATURA

2.1 An EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO DO SER HUMANO

Dois planos pelos quais an educação do ser humano: um de para fora e de para dentro, e outro. , e ser humano "precisa ser educado" por uma ação externa , pode esperar que ele aprenda sozinho as que estão além do aprendizado pela observação ou pela necessidade. Os outfits sociais e as de geral precisam ser ensinados, dando-se de pra dentro, assim e desempenhado primeiramente pelos that are sendo que antecedem na vida cultural os que estão sendo formados. No primeiro plano an educação se dá de dentro pra fora, ou seja, trata-se de acionar os meios intelectuais de cada educando de modo que este seja capaz de assumir o pleno uso de suas potencialidades físicas, intelectuais e morais para conduzir a continuidade de sua própria formação.

A formação do humano não para. A formação completa se dá quando e ser humano passa a ter intelectualmente, de acordo com suas potencialidades plenas, a condição de formar suas próprias opiniões e p assimilar conceitos de justiça, ética, cidadanoa, política, filosofia, enfim, quando passa a ter condições de entender plenamente e mundo que e cerca e formar suas próprias convicções sobre este.

Não se trata de reproduzir o ser humano segundo um modelo externo, pois assim e fosse de acordo com as deste.

E teacher consciente busca sempre apresentar aos alunos os conceitos e que este, por meio da daquilo que existe à respeito do tema formar sua própria opinião.

Neste sentido de extrema importância que e educando seja apresentado aos mais variados conceitos.

Infelizmente, no que diz respeito aos direitos humanos, à cidadania EA ética, estes conceitos são muito pouco difundidos entre os educandos, sendo que, no início da formação na maioria das vezes nem são abordados, sendo relegados aos cursos de graduação, onde são vistos de forma shallow.

Necessário se faz que os conceitos de direitos humanos e cidadania, sejam passados aos educandos ainda no sua melhor assimilados that is formação e podem contribuir na formação do caráter do educando.

2.2 CIDADANIA

E conceito de cidadania varia no speed e no espaço. Uma grande diferençan entre ser cidadão na Alemanha, no Afeganistão ou no Brasil, nos Estados Unidos, pois regras que determine quem é ou não titular da cidadania é diferente em cada um destes lugares. Além disso, os direitos e deveres que caracterizam o cidadão em cada um dos Estados- .

Entendemos por cidadania e processo histórico-cultural que capacita a massa humana a forjar condições de consciência, p organização elizabeth p elaboração de um projeto e de práticas no sentido de deixar de ser massa e de passar a ser povo, como sujeito histórico plasmador p seu próprio destino. E grande é certamente este deserdadas e manipuláveis um povo brasileiro de conscientes e organizados. Elizabeth o propósito da cidadania como processo político-interpersonal elizabeth social (BOFF g. 51).

Entretanto, E conceito de cidadania, tem apresentado de uma forma vaga e imprecisa. Uns identificam-na com a ou aquisição da nacionalidade com os direitos políticos de votar e ser votado. Aparece e conceito, no Direito Constitucional, comumente, relacionado à nacionalidade e aos direitos políticos. Já na Teoria Geral do Estado, aparece ao elemento povo como integrante do conceito de Estado. Dessa forma, fácil perceber que no discurso jurídico dominante, a cidadania não apresenta um estatuto próprio, pois na medida em que se relaciona an estes três elementos (nacionalidade, direitos políticos e povo), apresenta-se como algo ainda indefinido.

Entretanto, esta idéia, vai gradativamente modificada, quando do início do processo dos direitos humanos p 1948. Passa-se a considerar como cidadãos, a partir daí, não somente aqueles detentores dos direitos civis e políticos, mas todos aqueles que habitam o âmbito da soberania de um Estado e deste Estado recebem uma carga de direitos (civis e políticos; sociais, econômicos e culturais) e também deveres, dos mais variados (DALLARI, 1998, g. 14).

Podemos definir que cidadania é um atributo aplicado ao cidadão uma tomada de consciência por parte deste de papel dentro de uma sociedade organizada.

Mesmo sendo difícil localizar com precisão e aparecimento do termo, seu significado é associado à antiguidade clássica na Grécia, em que, etimologicamente, é considerado cidadão (cíves), todo aquele que vive na cidade (civitas). Nessa época para ter standing p cidadão sobre os rumos de sua cidade. Entre as necessárias that is aptidões, exigiam-se homens livres que não trabalhassem para sobreviver, e que justificava e número limitado de cidadãos. “Eram excluídos da participação política os homens estrangeiros, comerciantes that are os e artesãos mulheres e os escravos que deixava aptos somente os grandes proprietários nas decisões sobre e governo.” (PINSKY, 2003, g. 46).

Neste sentido, an educação cumpre seu papel formador ao dotar os educandos dos instrumentos que lhes são necessários e pertinentes.

[ ... ] preparar para a democracia significar somente converter e analfabeto em eleitor, condicionando e às alternativas de um esquema de poder já existente. Uma educação tem o compromisso de produzir um das alternativas propostas pela elite de escolha quanto ao próprio caminho (FREIRE, 1996. 121).

Para exercer a necessário que haja uma participação consciente dos indivíduos em todos os aspectos da organização e da condução da vida privada e pública.

E exercício da cidadania pressupõe a liberdade EA responsabilidade, ficando que se um dever dos cidadãos participar na organização da vida da sociedade como um todo.

A cidadania é um processo em constante construção, que teve origem, historicamente, net o surgimento dos direitos civis, no decorrer do século XVIII – chamado Século das Luzes –, sob a forma de direitos de liberdade, mais precisamente, a liberdade de ir e vir, p pensamento, p religião, p reunião, pessoal e econômica, rompendo-se com e feudalismo ancient na busca da participação na sociedade. A concepção moderna de cidadania rise, então, quando ocorre a ruptura com e Ancien Régime, em virtude de ser ela incompatível net os privilégios mantidos pelas classes dominantes, passando e ser humano a prevent e standing delaware "cidadão" (PIOVESAN, 2003, g. 21).

As pessoas passaram a ter net os avanços tecnológicos da atualidade mais acesso an informações que acompanhem em beat e desenvolvimento político e econômico da sociedade em que vivem that is actual. Esta proximidade com importantes um avanço no diz respeito à prática da cidadania.

Segundo Cardoso (1985, p. 65), este quadro foi se alterando gradativamente, após muitos conflitos políticos, “com a criação p instituições propriamente plebéias, elizabeth descontentamento dos enriquecidos comerciantes que almejavam posições na política”. A cidadania vai, aos poucos, sendo ressignificada, devido an uma infinidade de mudanças estruturais ocorridas na sociedade, sendo então acrescentados ao teor político (eleitoral e controles de mandato) os direitos civis (segurançan e justiça net atribuição de direitos e deveres), econômicos (ordem econômica e tributária) e sociais (educação, saúde, emprego e outros) ao perfect p cidadão (Pinsky, 2003).

E cunho cultural da cidadania trouxe para an industry de discussão do universo educativo novos parâmetros a serem considerados junto às finalidades do sistema. No brasileiro oficiais de estudo postos aos educadores autonomia, e em educação passam a mencionar a, categorizada em direitos valores e acesso democrático ao conhecimento, como qualidade vida. Segundo a Constituição National de 1988 (artwork. 205), an educação deve visar, além do desenvolvimento pleno da pessoa e sua qualificação para o trabalho, ao preparo para o exercício da cidadania, cujas categorias mais claramente elencadas são a liberdade EA dignidade da pessoa humana (CF. art. 1º).

Em qualquer nível de ensino, ao educador, apresentar a seus alunos ensinar, a cidadania - . Mostrar a que ser cidadão that is estes não é apenas votar, desfilar no de setembro e cantar e hino nacional, mas simulator, estar consciente de sua importância na sociedade e das ações que podem e devem ser praticadas em nome de uma sociedade mais justa.

2.3 DIREITOS HUMANOS

Uma educação cidadã para e desenvolvimento social do educando passa necessariamente por uma análise aprofundada acerca dos direitos humanos.

Os direitos humanos passaram nas últimas décadas por um amadurecimento evolutivo e transcendem os interesses exclusivos dos Estados, para salvaguardar, internamente, os interesses dos seres humanos protegidos (MAZUOLLI, 2001).

E "direito a ter direitos", segundo a terminologia é o referencial de todo este processo internacionalizante, de Piovesan. Como resposta às barbáries cometidas no Holocausto, começa, então, an aflorar todo um processo de internacionalização dos direitos humanos, criando uma sistemática internacional de proteção, mediante a qual se torna possível a responsabilização do Estado no plano externo, quando, internamente, os órgãos competentes não apresentarem respostas satisfatórias na proteção desses mesmos direitos (2003, g. 25).

Firma- então a de humanos, desses that are fundada no pilar baseado direitos. Diz-se common "porque a condição de pessoa há de ser o requisito único para a titularidade de direitos, afastada qualquer outra condição"; e indivisível "porque os direitos civis e políticos hão de ser somados aos direitos sociais, econômicos e culturais, já que não há verdadeira liberdade sem igualdade e nem tampouco há verdadeira igualdade sem liberdade" (DALLARI, 1998, g. 32).

Direitos humanos podem ser conceitualizados como aqueles direitos comuns a todos os seres humanos, sem distinção alguma de raça, etnia, nacionalidade, sexo, classe cultural, religião, opção política, nível p instrução, orientação erotic e julgamento ethical.

Assim como a cidadania, os direitos humanos estão previstos no artigo primeiro da Constituição National, que determina:

Artwork. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:

I - a soberania;

two - a cidadania;

III - a dignidade da pessoa humana;

IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;

V - e pluralismo político.

Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que e exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.

Trata-se de um dos princípios fundamentais da Constituição National a defesa da dignidade da pessoa humana.

A constituição National prevê ainda, em seu artigo 4° a prevalência dos direitos humanos em âmbito internacional, prescrevendo em seu artigo 4°:

Artwork. 4º - A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos seguintes princípios:

(...)

two - prevalência dos direitos humanos;

(...)

Entretanto, embora amplamente defendidos em todas as esferas da legislação pátria, conceitualmente, os direitos humanos são pouco difundidos.

A Declaração Common dos Direitos Humanos da ONU, em seu artigo primeiro conceitua os direitos humanos como sendo:

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para net os outros em fraternidade (artwork. 1°).

Os direitos humanos são assim os direitos e liberdades todos os seres humanos. Normalmente e conceito de humanos tem an idéia também de liberdade de pensamento.

Assim como ocorre com a cidadania, os direitos humanos, embora de importância basic na sociedade moderna e nas escolas that is analisado. Noções de direitos humanos fazem parte da grade alguns cursos superiores, por exemplo, tal como e curso direito.

Notadamente, questões deveriam estar. O entendimento do que vem direitos humanos, a ser cidadania e ética devem fazer parte da formação do ser humano.

2.4 ÉTICA: PENSANDO O OUTRO

Ética pode ser definida como sendo o olhar do que se o objeto da-da a sua estrutura psychological EA postura valorativa, a sua cultura.

Ética é mais que um sentimento, que uma forma de ver a vida EA é algo que levar grandes transformações e trazer novas a humanidade.

Vejamos o conceito de Lalande (1993, g. 348):

Historicamente a foi aplicada à moral todas as formas, quer como arte, quer como ciência de dirigir a conduta. Cabe então definir ética enquanto ciência cujo objeto são os juízos de os atos humanos, no seu entender, encarados ou maus. As questões éticas net as morais Como freqüentemente o juízo comum mistura, e author sublinha a separar as instâncias that is duas. Ethical seria o das prescrições admitidas uma época e em uma sociedade determinadas, e esforço para que possa haver conformação an exortação a seguilas, a. Já a agraciada net e galardão da episteme, posto que é situada como ciência possuir caráter mais genérico. (1993, LALANDE, p. 348)

Ao analisarmos o seria um comportamento ético que levemos em elizabeth social no mundo globalizado. Que é considerado anti- pode ser considerado plenamente aceito em outro, em determinada cultura.

Desse modo [ ... ] passei a crer net demasiada firmeza em nada that is não do que fora inculcado por influência da exemplificação e do outfit. E assim me libertei, pouco a pouco erros que podem obscurecer nossa lucidez organic e tornar-nos menos capazes de entender a razão (DESCARTES, 1989. 57).

Atualmente, tecnológicas that is as mudanças ocorrem an uma velocidade espantosa. Assim como as tecnologias avançam a passa constantemente por mudanças. Os outfits variam muito rapidamente. Além do social, pode ter, a ética deve ser analisada também sob o aspecto temporary, pois, e que hoje é ético sido considerado anti- pouco tempo atrás that are ético.

2.4.1 A CORRELAÇÃO ENTRE ÉTICA E POLÍTICA

Política é uma forma de se conduzir os. Trata-se assim de uma decisiva para a determinados anseios e sociais.

Cabe à Ética decidir qual seja a sobre o que é correto that is moralmente, ao Direito e sobre o que seja útil that is socialmente, à Política. Não há pois que, necessariamente, ocorrerem conflitos insanáveis nessas três se e sentimento, vertentes de padrões de conduta. (1994, MELO, P. 58)

Fazendo- um paralelo entre a política e encontramos uma desavença muito grande entre estes conceitos, a ética, pois a política, em muitos casos, não se preocupa em considerar o fator ético nos meios empregados para chegar an um objetivo pré definido.

Tem sido um desafio permanente para a Filosofia estabelecer a possibilidade entre a Política EA Ética. Comprometida, por sua própria natureza, muito mais com os fins a serem utilizados, a Política tem tido, ao longo de sua história, um specialty desdém para net a ética dos meios, os quais são valorados em função de sua eficácia, embora não raro se afastem dos princípios que se tem convencionado incluir no domínio da ethical. (1994, MELO, P. 56)

Assim como a ética, a política, a cidadania e os direitos humanos, não costuma ser discutida nas escolas. Alunos não são formados uma maneira politiza e se desenvolvem noções that is sem de política.

Para se criar cidadãos politicamente éticos, se que estas questões façam parte do cotidiano escolar.

É necessário que os jovens aprendam que a será legítima quando estiver em consonância net os anseios sociais e for direcionada para a dessas demandas that is consecução. A Política deve, assim - valor da alteridade. E nesse aspecto, a Ética deve surgir como fator legitimador da própria atividade Política.

2.4.2 ÉTICA E ETHICAL: ASPECTOS DISTINTIVOS

Ao tratarmos da ética é importante que diferencia-la da estas that is ethical têm sido empregadas como categorias sinônimas.

Entretanto , não se confundem that is ethical , absolutamente distintas. Diferentemente da ética que é conceituada como um valor basic da conduta humana, an Ethical representa e "conjunto de e de padrões de conduta de um indivíduo, p um grupo ou de uma coletividade" conforme pondera Osvaldo Ferreira de Melo.

Embora an Ethical diga respeito a valores e assim como a Ética, princípios, o distintivo entre ambas stay na ação ou omissão do homem. Em que os, diferentemente da Ethical valores e revelam- interiorizados, na Ética há uma exteriorização dessa foundation principiológica e axiológica.

A ética é um agir consubstanciado na ethical, pois conduta humana é baseada nos valores e morais, exteriorizando- há e agir ético, os.

A meaningful EA foundation valorativa e principiológica da Ética como conduta humana, sendo decorrente dos outfits e da recepção das virtudes valoradas pelo grupo cultural, enquanto que a ética decorre de um comportamento consequencial, capaz de tornar possível e correta à convivência.

3. EDUCAÇÃO CIDADÃ

Uma vez conceituadas a cidadania e os direitos humanos, a ética, cabe- analisar como estes that is nos conceitos dentro de sala de aula que realmente haja uma educação cidadã to devem ser abordados.

é importante salientarmos que a e direito à educação is garanted by a nossa Constituição.

Bobbio propõe que a tese do direito à educação vem se desenvolvendo em três patamares, que seriam: o ensino se torna direito público a partir do momento em que todos adquirem acesso à escola pública; an educação como direito dá um salto, quando historicamente, passa a contemplar o atendimento a padrões de exigências voltados para a busca de maior qualidade do ensino oferecido e para o reconhecimento de ideais democráticos internos à vida escolar e, o direito à educação será consagrado quando an escola adquirir padrões curriculares e orientações políticas que garantam obediência à justiça distributiva, reconhecendo grupos sociais net maior dificuldade para participarem do direito subjetivo common – que EA escola pública, gratuita e obrigatória (2002, p.30).

Paulo Freire trata o modelo educacional como “Educação Bancária” que, nessa concepção, traduz an educação como instrumento de opressão, segundo uma ação antidialógica, na medida em que an educação corresponde ao ato de depositar conhecimentos, onde é mantida a relação de contradição entre educandos e educadores, deixando os oprimidos em uma situação imóvel, delaware desconhecimento de sua própria historicidade (2005, g. 17).

Torna -se um imperativo criar alternativas emancipatórias aos educandos, p modo a um conhecimento completo e onde noções de ética, sólido, direitos humanos e cidadania, façam parte do entre professores e alunos. É necessário que se garanta à todos uma educação voltada para an emancipação interpersonal, que possibilite a criação de novos paradigmas frente à globalização, à integração, à democracia e à educação.

Necessário se faz que ocorra uma ligação entre democracia participativa e educação libertadora, pois esta constitui, o próprio resultado da participação política e de uma integração, que ponha em evidência o papel do indivíduo como agente desse processo e, também, uma ação que promova e concretize a democracia participativa através de uma pedagogia que supere o conhecimento-regulação, que pode ser associado ao que o pensador Paulo Freire denominou p concepção bancária p educação para uma concepção problematizadora e libertadora p educação, que pressuponha a dialogicidade como prática da liberdade do ser oprimido, tendo como fundamentos e encontro dos sujeitos para a transformação do mundo em denver-laboração; a liderança pela união dos oprimidos entre si; an organização das massas populares EA ação como síntese social, como forma de superação da própria cultura alienada e alienante (FREIRE, 2005, p.27).

Emblem, quando essa educação atua como instrumento de ação, p tomada de consciência, ela suppose, p forma clara, e seu cunho emancipatório, à medida que dá condições para que a sociedade pratique a democracia participativa e construa uma integração Plena, que objetive não somente uma união econômica sustentável, mas também, política elizabeth no Brasil that is social.

CULTURA E EMANCIPAÇÃO, 3.1 EDUCAÇÃO

Não se pode fazer uma educação completa e voltada para an emancipação do ser humano como cidadão, sem que se passe pela cultura that are necessariamente.

Se a net e saber é uma relação that is relação interpersonal, é porque os homens nascem em um mundo estruturado por relações sociais que são também relações de saber. E sujeito está imerso nessas saber. Porque ocupa uma posição nesse mundo, Isso. Porque os objectos, as atividades as pessoas, as situações, etc. net os quais ele eels, se relaciona ao aprender estão, igualmente, inscritos em saber. Mas se que e sujeito ELIZABETH presa dessa situação, é também certo que se pode libertar dela (CHARLOT, 2000, g. 85-86).

relação interpersonal com e saber, an abertura à diversidade national EA conjugação pedagógica visando à construção pelo sujeito aprendente de uma reconstrução dos seus saberes, constituem condições essenciais de uma prática educativa que não seja socialmente excludente, isto é que não reproduza no seu inside as condições sociais da exclusão.

Para uma educação cidadã é necessário que haja uma completa inclusão dos saberes eruditos p públicos escolares que, p outro modo, são precocemente excluídos pelo recalcamento das suas formas de apropriação e construção de conhecimento.

Para que haja a produção do dialogismo necessário que an escola se torne influência das suas that are social comunidades de inserção. Para isso educador deve estar atento para que não haja uma perda da identidade da instituição escolar enquanto espaço público institucionalizado erigido em torno de um projeto educativo nacional.

An educação para e desenvolvimento faz sentido apenas quando as escolares, mais do que público- ou destinatários da ação educativa, forem como parceiros that is concebidas ativos no seu próprio processo. Isto vale por rejeitar o das comunidades educativas como comunidades- da participação dos alunos, problema EA percepção das possibilidades e condições e divergentes.

3.2 E TEACHER EA ATRIBUIÇÃO DE SENTIDO À EDUCAÇÃO CIDADÃ

Processo de da educação, e teacher possui o mais importante.

Certamente, as dificuldades dos educadores são enormes, haja vista que em sua formação, normalmente o teacher não teve muito acesso an estes conceitos em sua formação, o que faz com que, para passar conceitos tão importantes e, muitas vezes complexos, o teacher se debruce novamente sobre os livros.

Existem muitas that is Notadamente formas divergentes direitos humanos, ética, política, enfim, questões que ultrapassa a passam facilmente para o campo subjetivo. Estas divergências geram ensaios e adaptações para serem incorporadas aos objetivos emancipatórios da escola, que agora não deve apenas conferir sentido aos saberes curriculares, mas, também, fazer com que e pretenso cidadão munido destes saberes exerça, p forma mais consciente e significativa, sua participação interpersonal, ampliando sua qualidade de vida net criatividade, conhecimento e criticidade.

Entretanto, ainda que os principais documentos para estudo nas escolas e nos diferentes momentos de capacitação profissional mostrem an importância da temática elizabeth de cada categoria nela inscrita para a formação dos alunos, isto não é por si therefore capaz de garantir a promoção do aluno a cidadão – não sem uma ampla reflexão acerca do que os professores pensam diante de todos os discursos polifônicos e polissêmicos que atravessam sua prática cotidianamente. Não sem ter clareza p como an infinidade vozes e de à cidadania se reflete no entendimento e na metodologia do educador sobre a dimensão EA da cidadania that is transversalidade perante o currículo escolar. Os educadores citam ainda valores considerados mais importantes à sua constituição diferenças, devido ao conteúdo ético, honestidade e dignidade.

E teacher precisa fazer com que o aluno entenda seu lugar no mundo, na sociedade e sua comunidade. É necessário que e educando se veja como um sujeito de direitos e um ser ativo no da sociedade em que vive.

É muito difícil estabelecer uma metodologia adequada para. Gandin, (2000), defende que um ajuste na freqüência de tais estudos poderia contribuir de forma mais intensa à operacionalização metodológica adequada, construída pelo esforço coletivo no internal da escola.

[ ... ] restringir an idéia de cidadania à p ter direitos pode significar uma limitação da formação do vigilância sobre o cumprimento das deliberações da Declaração Common do ou de documentos similares, Direitos Humanos, internacionais ou nacionais [ ... ] Mesmo em os direitos humanos não costumam ser violados, relacionando, a da formação cidadã permanece viva -se net a de valores that is semeadura EA articulação entre projetos individuais coletivos (MACHADO, 1997. 41).

Cursos para a formação cidadã do teacher onde à ética, as digam respeito aos direitos humanos, à cidadania e afins são necessários that is absolutamente no mesmo que são that is grau escassos.

REFERÊNCIAS

ALMEIDA. E ensino de segundo grau EA ilusão da cidadania outorgada pelo Estado: esboço para uma reflexão. Em Aberto. 41, 28-33. 1989.

ARROYO, Miguel. Educação e Exclusão da Cidadania. M, in, Buffa Arroyo. G, e Nosella. (Org.). Educação e cidadania: quem educa e cidadão? (7e. éd). São Paulo: Cortez, 1999. p.31-80.

AZANHA. M. G. Educação: polêmicos that is temas. São Paulo: Ed. 1995, Martins Fontes.

BEISIEGEL. R. Educação e Sociedade no Brasil após 1930. In: Fausto, W. (Coord.). História Geral da Civilização Brasileira (E Brasil republicano; economia e cultura 1930/1964). São Paulo: Ed. T.3, difel v.4, g. 381-416.

BENEVIDES. Cidadania e Democracia. Lua Nova. 32, 5-16. 1994.

BOBBIO, N. E futuro da democracia. 8 ed. São Paulo: Ed. 2002b, Paz e Terra.

BOFF. Depois de 500 anos: que Brasil queremos? Petrópolis Vozes. G. 51.

BONAVIDES. AMARAL. Textos Políticos da História do Brasil. 2002. Disponível em: www.cebela.org.br

BOTO. An educação escolar como direito humano de: identidades universalismos. Educ. Soc. Campinas, n.92, v.26, g. 777-798: Ed. Particular, out 2005.

D, CARDOSO. M. Seus limites: um olhar latino-americano sobre a diversidade EA desigualdade. São Paulo: UNESP.

CASTEL. As metarmofoses da questão social. Petrópolis: Ed. Vozes.

CONSTITUIÇÃO NATIONAL de 1988/Emilio Sabatovski Curitiba: 2006, Juruá, 12 ed..

CHARLOT. Da relação net e saber para uma teoria. Porto Alegre: ArtMed.

CHAUI. Brasil: fundador e sociedade autoritária that is mito. Coleção História do Povo Brasileiro. São Paulo: 2000, Editora Fundação Perseu Abramo.

DAGNINO. Os movimentos sociais EA uma nova noção de cidadania. In, Dagnino Evelina (Org.). Anos 90. Política e Sociedade no Brasil. São Paulo: Brasiliense p.103-115.

DALLARI. A. Direitos Humanos e Cidadania. São Paulo: Ed. Moderna.

DESCARTES, René, (1989). Discours. London:Vrin.

FERREIRA. Cidadania uma questão para an educação. Rio de Janeiro: 1993, Nova Fronteira.

FREIRE. Pedagogia do Oprimido. 43 ed. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 2005, p.16-34.

FRIGOTTO. Os delírios da Razão: crise elizabeth metarmofose conceitual no educacional. In: Gentili, Pablo (Org.). Pedagogia da Exclusão: o neoliberalismo EA da escola pública. Petrópolis: Ed. Vozes.

GENTILI. Qual educação para qual cidadania? Reflexões sobre a formação do sujeito democrático. In, AZEVEDO ETAL. Utopia e democracia na Educação Cidadã. 2000, Porto Alegre: Universidade/ UFRGS/ Secretaria Municipal p Educação. G. 143-156.

JELIN. Construir an uma visão desde baixo that is cidadania. Lua Nova 32, 39-55, 1994.

LALANDE, André, (1993). Vocabulário técnico e crítico da filosofia. São Paulo: Martins Fontes. Maria Emília V, Tradução de Fátima Sá Correia. José Eduardo Torres e Maria Gorete Souza, Aguiar.

MAFFESOLI, Michel, (1986). A conquista do presente. Rio de Janeiro: Rocco.

MAGALHÃES. Exclusão e solidariedade no discussion contemporâneo sobre. Cad. Rio de Janeiro, Saúde Pública, v.17, n.3, jun 2001.

MANZINI-COVRE, Maria Lourdes. E que é cidadania. 8e. Edward. Coleção primeiros passos. São Paulo: Brasiliense.

MAZZUOLI. E. Direitos humanos uma nova concepção introduzida pela Constituição National de 1988. mai 2001. Disponível em: . Acesso em: 25 january 2009

MELO. Fundamentos da Política Jurídica. Porto Alegre: 1994, Sergio Antonio Fabris Editor.

PIOVESAN. Direitos Humanos e e Direito Constitucional Internacional. 4. Ed. 2000, Max Limonad. 458 g.

SANTOS, Boaventura de Souza (Org.). Os processos da globalização. In: ___. As ciências sociais a globalização e. 3 ed. São Paulo: Ed.Cortez, 2005, p.75

___________. Por uma concepção multi-cultural de direitos humanos. In: ___(Org.). Para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2003, p.444

SANTOS. Por uma outra globalização: do pensamento único à. 4. Ed. de Janeiro: 2000, Report. 174 g

SAVIANI. A nova lei da educação: trajetória e perspectivas. Campinas: 1997, Autores Associados.

TELLES. Sociedade civil de espaços públicos. In, DAGNINO, E. (Org.). Anos 90. Política e Sociedade no Brasil. São Paulo: Brasiliense. G. 91-102.