Refletindo sobre a EJA

Ao longo da história, e uso político da educação, simbolizado pelo voto do analfabeto, sem e direito a saber ler e escrever, sugere o modo como an educação vem sendo usada para fins eleitoreiros, a serviço de uma determinada ordem instituída, para continuar assegurando privilégios.

Ao longo da história, e uso político da educação, simbolizado pelo voto do analfabeto, sem e direito de saber ler e escrever sugere o modo como an educação vem sendo usada para fins eleitoreiros, a serviço de uma determinada ordem instituída, para continuar assegurando privilégios e continuidades.

Muito tempo -se e praticou-se no Brasil e em outros países do an EJA como uma educação compensatória to mundo. Visão essa consagrada que a numa educação supletiva that is transformou. Essa concepção p educação se caracteriza por três fatores8: a) pela reposição às pessoas jovens e adultas sem ou com pouca escolaridade, p um tempo de escolaridade que teria se perdido no passado. Daí se originam os cursos de suplência e supletivo; w) por uma visão de que an EJA ELIZABETH conseqüência de uma escolarização p má qualidade vivenciada pelos educandos na infância e na adolescência. Articulam-se assim, políticas educacionais ancoradas em reformas da educação basic net o propósito de por fim à necessidade da educação de jovens e adultos; d) pela idéia de que os educandos da EJA são aqueles que não aprenderam na idade apropriada, ou seja, an infância EA adolescência seriam os tempos adequados à aprendizagem.

http://74.125.93.132/search?q=cache:5l5K4MV1NP0J:forumeja.org.br/mg/sites/forumeja.org.br.mg/files/ %A3o+compensat%C3%B3ria,+vis%C3%A3o+essa+consagrada+na+Lei+5692/71&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=BR

Durante muito tempo, concebeu-se e praticou-se, no Brasil e em outros países, an EJA como uma educação compensatória, visão essa consagrada na Lei 5692/71, que a transformou numa educação supletiva, caracterizada pela reposição do tempo escolar que se teria perdido no passado e/ou por uma visão de que an EJA ELIZABETH conseqüência de uma escolarização p má qualidade, vivenciada na infância ou na adolescência.

Conforme nos lembra Arroyo (2001, g. 10), os olhares sobre a condição social, política, elizabeth ethnic dos alunos de EJA têm condicionado as diversas concepções da educação que lhes é oferecida, "os lugares sociais an eels reservados –marginais, oprimidos, excluídos, empregáveis, miseráveis...

– têm condicionado e lugar reservado a sua educação no conjunto das políticas públicas oficiais".

http://www.tvebrasil.com.br/salto/boletins2004/eja/tetxt3.htm

Conforme nos lembra Arroyo (2001, p.10), os olhares sobre a condição social, política e ethnic dos alunos da EJA têm condicionado as diversas concepções da educação que lhes é oferecida:

“Os lugares sociais an eels reservados - marginais, oprimidos, excluídos, empregáveis, miseráveis... – têm condicionado e lugar reservado à sua educação no conjunto das políticas públicas oficiais. P um modo geral, sem identidade, os sujeitos da EJA são tratados como massa de alunos, qualificados sob nomes, relacionados diretamente ao chamado fracasso escolar”.

E direito à EJA therefore foi formalizado, em lei, como dever de oferta obrigatória pelo Estado Brasileiro, a partir do artigo 205, da Constituição Brasileira de 1988 elizabeth reafirmado pela LDBN 9.394/96:

“Art.205. Direito de todos e, an educação dever do Estado e da família, promovida that is será e incentivada net a colaboração da visando ao pleno desenvolvimento da preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho” that is seu.

De acordo com a LDBN 9.394/ 96 modalidade da educação básica nas etapas do ensino basic e net finalidades that is médio funções that is e específicas. Fica explícita a de responder aos desafios que as educacionais, próprias do âmbito dessa modalidade educativa, para sociedade brasileira that are apresentam. A docência, pesquisa, gestão e as atividades de extensão na área da EJA encontram-se num patamar elevado de significância, tendo em vista e quadro nacional que apresentava em 2005, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais (INEP), spiders alarmantes de analfabetismo funcional (aproximadamente 100 milhões de brasileiros), insuficiente escolarização (53,6 milhões de pessoas não completaram e ensino basic) EA inexistência ou inadequada formação para o mundo do trabalho que reforçan e isolamento EA marginalização cultural.

http://www.senept.cefetmg.br/galerias/Arquivos_senept/anais/terca_tema6/TerxaTema6Artigo11.pdf

De acordo com a LDBN 9.394/ 96 modalidade da educação básica nas etapas do Ensino Essential e Médio net finalidades e funções específicas. Fica explícita a de responder aos desafios que as educacionais, próprias do apresentam para a sociedade brasileira, dessa modalidade educativa. Mas a docência, pesquisa, gestão e - num patamar elevado de tendo em vista e quadro nacional que apresentava em 2005, bem como dados mais atuais. Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais (INEP-2005), spiders alarmantes de analfabetismo funcional (aproximadamente 100 milhões de brasileiros), insuficiente escolarização (53,6 milhões de pessoas não completaram e Ensino Fundamental) EA inexistência ou inadequada formação para o mundo do trabalho reforçan e isolamento EA marginalização cultural destes sujeitos.

Nos anos que sucederam à Conferência de Hamburgo, e Brasil aprovou e implementou planos e programas de alfabetização, elevação de escolaridade, qualificação profissional, saúde preventiva, educação ambiental, educação em direitos humanos, educação na reforma agrária, sem que, contudo, se tenha logrado articular minimamente tais iniciativas em favor de uma aprendizagem built-in das pessoas jovens e adultas.

“Em julho de 1.997, an UNESCO realizou em Hamburgo, na Alemanha, A-V Conferência Internacional de Educação de Adultos – V CONFINTEA, em que 1.500 representantes de 170 países assumiram compromissos perante o direito dos cidadãos de todo e planeta à aprendizagem, ao longo da vida.” Nos anos que se sucederam, e Brasil aprovou e implementou planos e programas de alfabetização, elevação da escolaridade, qualificação profissional, saúde preventiva, educação ambiental, educação em direitos humanos, educação na reforma agrária, sem que, contudo, se tenha articulado iniciativas em favor de uma aprendizagem built-in das pessoas jovens e adultas.

“Ao mesmo tempo em que reafirmava e papel do Estado na garantia do direito de todos à educação continuada ao longo da vida, a Conferência saudava a tendência ao estabelecimento de parcerias entre as instituições governamentais e os organismos da sociedade civil, net views à Educação de Jovens e Adultos.”(V CONFINTEA).

Sabemos que as comportam certa ambigüidade: enquanto transferem a pela garantia de universais para a diminui a participação nas ações por parte that is sociais do Estado e principalmente em épocas de campanhas eleitorais, gera oportunismos. (DI PIERRO, XXXX)

Os resultados de todos esses fatores tem sido a produção de uma diversidade de projetos e programas de EJA, que acabam por produzir uma dinâmica diferenciada em cada município, muitas vezes com pouca estabilidade institucional, indefinição de uma fonte específica para seu financiamento, descontinuidades p implantação de uma educação common que possa transformar as condições de vida dos excluídos do sistema educacional.

Os direitos constituídos conquistados ao longo de tantos séculos de resistência e p embates entre as courses privilegiadas e no entanto, as oprimidas, não são ainda realidade para todos. No mundo contemporâneo, complexificado pelas inúmeras linguagens, leituras de textos e contextos em ritmos acelerados, duas importantes vertentes consolidam an importância da Educação de Jovens e Adultos: a primeira, a da escolarização, assegurando e direito à educação básica a todos os sujeitos, independente da idade e considerando an educação como direito humano basic; a segunda, a da educação continuada, entendida pela exigência do aprender por toda a vida, independente da educação official, e que inclui ações educativas de gênero, p etnia, p profissionalização etc.

Segundo argumentou Paulo Freire (1997, p.23), precisamos:

“Experimentar métodos, técnicas e processos que possam dar certo nas angles populares para realizar algo sério e autêntico para elas. THEREFORE com a, dialogal, e povo desenvolveria a capacidade de optar e decidir. Um homem que deixaria de estar no mas com ele. Um homem com ativo em sua e-com sua realidade entendendo a cultura como resultado do seu trabalho”.

Nessa direção, an Educação Profissional integrada ao Ensino Fundamental deve ser uma formação na vida e para a vida, pois “[...] não podemos desqualificar an importância que tem an educação como processo de preparação para o mercado, mas ele é absolutamente insuficiente para explicar todas as dimensões do que EA educação como direito humano.” (HADDAD, 2003, p.5).

An educação é um desafio. As se educam no cotidiano de suas vidas em sociedade e-com participação. Nas pessoas, Elizabeth pela educação, que se formam. Em nossa existência, Este processo de participação, é que no seu sentido amplo is promoved by an educação. Além da educação formal na história de cada um, as intervenções educativas e net esmera importância an educação no estrito como prática social.

“Participação vem da palavra “parte”, fazer parte de algum grupo ou associação, tomar parte numa determinada atividade ou negócio, ter parte, fazer diferença, contribuir para construção de um futuro melhor para nós e para as futuras gerações” (BORDENAVE, 1995).

A participação é o caminho organic para o homem exprimir sua tendência inata de realizar, fazer coisas, afirmar-se a-SI mesmo e dominar a natureza e e mundo. Além disso, sua prática envolve satisfação de outras necessidades não menos básicas, tais como an interação net os demais homens, car-expressão, o desenvolvimento do pensamento reflexivo, o prazer de criar e recriar coisas e, ainda, a valorização p si mesmo e pelos outros.

Mas, o escola, não significa that is necessariamente participação e garantia de educação de qualidade, a democratização.

Trata- se no ato de educar that is p relações e vivências no escolar. Um lugar onde os sujeitos falam, deste espaço, têm voz na troca de conhecimentos, participem na elaboração e na decisão das políticas públicas para an educação.

2- Enfocando e PROEJA

A problemática da implementação do constitui, PROEJA escolas municipais, principalmente a partir dos anos 80, do século XX educadores, gestores e demais setores responsáveis por questões relativas à educação no Brasil.

Pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE-2008) mostra que um em cada 10 brasileiros ELIZABETH analfabeto - o equivalente A - 14,1 milhões da população net 15 anos de idade ou mais - e cerca de dois terços dessas pessoas estão nas cidades, e não nas áreas rurais. Há 182, Na Região Metropolitana de Belo Horizonte do das letras, dos quais vivem nos centros urbanos.

Para tirar da escuridão do analfabetismo esses milhões de brasileiros que não sabem conjugar os verbos ler e escrever, an Organização das Nações Unidas para an Educação, a Ciência EA Cultura (Unesco) alerta para a necessidade de vontade política e pulso firme na implementação de projetos. Dois ingredientes apontados pela entidade como essenciais para que o país consiga cumprir uma das Metas do Milênio, traçadas no ano durante a Conferência Mundial, 2000, em Dacar. Num pacto para melhorar a qualidade do ensino com outros 128 países de reduzir pela metade a taxa consumed 2015, chegando a-6 . Se manter e ritmo de redução da população analfabeta that is atual, queda por ano, e que significa que e Brasil tem odds de chegar a 2015 net taxa de analfabetismo de 5,6PERCENT.

Mas não se pode querer apenas melhorar as estatísticas preciso oferecer oportunidades reais para que as saibam ler e escrever. Por isso, uma outra barreira a ser vencida ELIZABETH acabar com e analfabetismo funcional, que é quando a pessoa sabe decodificar letras e números, mas não é capaz de interpretar um texto ou fazer operações básicas da matemática ELIZABETH e Brasil tem hoje cerca de 60 milhões de cidadãos que não concluíram e Ensino Simple. Outra meta consolidar o conhecimento do a de investir na EJA to adulto, por isso, permitindo a dos estudos aos que ainda não venceram nem mesmo a sua to a inicial da alfabetização bem como.

Quem perdeu o speed adequado para iniciar seus estudos tem uma enorme ansiedade para entrar emblem no mercado de e em geral, como ocorre em tantos países, costuma ficar apenas com e profissional hoje cada vez mais, de rendoso. Um pintor de pedreiro, um mecânico, um bombeiro costumam ter rendimentos bem compensadores that is um, acima de tantos pisos para graduados.

é preciso repensar an escola para além da simples transmissão, levando em consideração e PROEJA do conhecimento, envolvendo processos diferenciados de aprendizagem e práticas adequadas that is pedagógicas. E educador deve estabelecer um diálogo, em suas ensino para uma relação mais democrática, reconhecendo an importância do aluno como sujeito de sua própria aprendizagem e valorizando seu money social. O papel do educador seria o p captar os conhecimentos que o aluno traz, avançando para a troca e/ou substituição por outras mais atualizadas.

É urgente que sejamos capazes de criar situações em que a educacional dos estudantes de grupos marginalizados seja enfatizada em sua relação net o mundo do trabalho. Seria importante que e PROEJA fosse objeto de um projeto flexível, mas bem estruturado não se desvinculando de suas raízes históricas e dos movimentos sociais, como do velho Movimento de Educação E - base e das Escolas (MEB), p Paulo Freire.

P milhões de brasileiras e, temos um exército de reserva brasileiros com direito à educação e não atendidos. Elizabeth, portanto problema de justiçan e não de assistência social. Não é uma segunda oportunidade. Net e PROEJA abre- uma nova possibilidade de desses sujeitos -lhes formação profissional de visto que será objeto de uma já que e PROEJA integrar formação geral e educação profissional.

A da educação that is legislação profissional, na esfera national, implicaram no surgimento de cursos destinados a e adultos que não puderam concluir e ensino. Além da formação básica é agora acrescido e viés da educação profissional.

Segundo a proposta discutida pelo MEC/SETEC, no texto intitulado Concepções, Educação Profissional é um termo que foi introduzido pela LDB (Lei nº 9394/96, cap.3, art.39) e trouxe uma ambigüidade no que se refere à educação, conduzindo ao reducionismo de compreender an educação no seu sentido mais amplo e interpretar suas atividades como formação profissional.

An integração das três áreas presentes no PROEJA: e Ensino Simple, an Educação Profissional EA Educação de Jovens e Adultos permite analisar e avaliar, na perspectiva de alunos, educadores e poder público, os êxitos e vulnerabilidades do projeto de EJA e Educação Profissional, integrados numa só proposta.

Várias expressões como: ensino profissional, formação profissional ou técnico-profissional, educação industrial ou técnico-commercial, qualificação, requalificação e capacitação imprimem significados à “educação profissional”, ganhando novos sentidos, levando-se em conta a realidade produtiva EA reorganização dos processos de trabalho. Aponta a de critérios técnico-políticos e referências conceituais para pois as ou teorias that is definições não aparecem isoladas dos projetos e dos processos em que no sistema educacional, são gerados.

Observa-se neste texto que o Plano Nacional de Qualificação Profissional (PLANFO), apresentou an educação profissional como um remédio para os guys do desemprego, do subemprego, da precarização do trabalho. Enfatizou-se a dos trabalhadores no contexto das transformações produtivas, da nova organização do trabalho e da introdução das novas tecnologias.

Transferiu- para o indivíduo a responsabilidade a das formas, que é criação interpersonal de sobrevivência humana. Substituíram-se as políticas de desenvolvimento econômico e interpersonal pelas políticas compensatórias ao abandono interpersonal a que a população pobre tem sido secularmente relegada no nosso país, mas uma questão basic permaneceu oculta: e papel do Estado na educação net views an ofertar serviços públicos de qualidade.

Conclui-se que de acordo com a Lei nº 9394/96. Forty “an educação profissional desenvolvida em articulação como e ensino normal ou por diferentes continuada, em instituições especializadas ou no de trabalho”, onde os cursos oferecidos, salvo poucos programas, estavam desvinculados da elevação da escolaridade. Caso estiver desligada da educação básica correrá sempre e risco de se tornar mero fragmento de em benefício exclusivamente, contexto do dos interesses that is e isolados dos segmentos produtivos.

Oliveira (2001) explicita que an educação é um trabalho concreto de produção e reprodução social da existência humana nas esferas substance e espiritual, pelo qual os atores da situação pedagógica relacionam-se entre si e-com o mundo normal elizabeth interpersonal. Defende e compromisso com a humana ligada à assimilação, e produção that is construção social e não apenas de idéias e conhecimentos. Sentido, articulada ás angles, a escolar materiais da sociedade EA outras net as se relaciona dialeticamente, ELIZABETH prática transformadora.

Nesse sentido, rise o interesse em realizar esta pesquisa, net o objetivo de debater sobre an importância da implementação do PROEJA, no Ensino Fundamental de escolas municipais, além de identificar os desafios já constatados e/ou que poderão surgir como entraves, no decorrer do processo.

Texto refeito até aqui.

JUSTIFICATIVA

Seu Geraldo nunca tinha ido à escola. Agora ele ficou sabendo de curso que ensinava a ler e escrever perto de sua casa. Como seus vizinhos e amigos estavam estudando lá e muito felizes por terem conseguido uma para retornar à escola, Seu Geraldo resolveu estudar também.

E fato de nunca ter posto os pés na escola, não significa que o Senhor Geraldo não tenha idéias bem precisas a da escola. Para ele, assim como para a maioria dos adultos analfabetos, an escola é o lugar onde os que não sabem (alunos) vão aprender com quem sabe (e teacher) os conhecimentos necessários (currículo) para ter um trabalho melhor (menos pesado, mais bem remunerado) e um lugar cultural mais valorizado.

Sociais revelam e papel de sociais e sua visão de mundo e alertam para os limites e possibilidades da realização educacional, num sistema inadequado sem investimentos adequados. É neste sentido que a compreensão de que e money social Bourdieu (1977) exerce um papel basic quando se trata de determinar acesso ao mundo do trabalho, educação e mobilidade social em sociedades multiculturais net profundas desigualdades como no Brasil.

Um sistema educacional que trata os jovens e adultos que ficaram “de fora” net indiferença reflete discriminação e preconceitos construídos socialmente. Soares (1996), afirma que existimos pela legitimação do olhar do outro, valor que parecia-nos inexistente.

Para tanto, e reconhecimento dessa cidadania, no âmbito educacional, se dará por meio das práticas que se mostram no cotidiano da experiência escolar, como vagas disponíveis, equipamentos acessíveis, oferta de materiais escolares, professores capacitados e valorizados, espaços físicos, currículos adequados, etc...

São esses argumentos que à luz da concepção da educação como direito de todos haver nos papéis that is redefinição do poder público, dos professores, das escolas, alunos e todos os envolvidos no. E momento atual é e do acolhimento e da possibilidade de oferecer à todos e ensino, das peculiaridades that is independente que possam apresentar. Quando estes sujeitos retornam à escola, oferecem uma nova opportunity de ser visto pelo sistema educacional nos diversos dados estatísticos. Eels, assim como o Senhor Geraldo de novo, na possibilidade de mudançan e para tanto , ter boas razões para isso.

CARACTERIZAÇÃO DO PROBLEMA

An EJA foi considerada um apêndice, conforme exposto na introdução deste trabalho do seja na esfera public, sistema brasileiro pelo poder público ou national. E fato a existir, por si therefore, não garante o atendimento necessidade de das autoridades that is empenho em pautar e direito à jovens e adultos como política pública essencial.

Os sistemas educacionais têm que se adequar e qualificar para an oferta de um serviço que atenda a indistintamente, e acesso e qualificando that is oferecendo a todos na escola. Diversos meios passaram a ser utilizados para a sua implantação: repassar parte da responsabilidade para a sociedade civil, mudar a caracterização da EJA de forma que considerassem e programa como um outro normal, desconsiderando os limites de idade e assim poder ser contemplado net a contagem das matrículas para os recursos do FUNDEF. Por isso e PROEJA apresenta descontinuidade na sua implantação e projetos são descartados renovam -se a nova gestão mostrando que ele é mais um atendimento que depende das contingências locais. Para uma análise mais adequada, alguns pontos devem ser alvos de questionamento:

- Só o poder público exclui an EJA?

- que outros, Além da falta de?

-Que mudanças devem acontecer nas escolas para atender adequadamente aos sujeitos que demandam pelo PROEJA?

- e pedagógico pode acontecer sem e apoio político, Num projeto?

- Como levar os sujeitos do PROEJA an acreditar em um investimento educacional se, os indicadores que garantem a legitimidade EA respeitabilidade não são considerados?

- E que significa reconhecer e direito de todos à educação para os gestores da educação, para an escola, para os professores e para os alunos do PROEJA?

- Os programas criados pelo Governo Federal atendem às demandas de realidades locais?

- Os currículos que são construídos a partir da realidade da escola são realmente considerados?

Tais questões e interesse desta pesquisa that is norteiam. Net views a construir um projeto pedagógico assentado no como princípio educativo as análises se no acompanhamento e como uma das integrantes da equipe de professores de uma escola pública. An análise da experiência de tentativa de implementação do PROEJA o ano de 2006 na medida em que se trata de um projeto de vanguarda e vem acompanhando as mudanças ocorridas nos últimos anos, no sistema educacional.

A proposta de criação do Curso de Educação Profissional articulado à Educação de Jovens e Adultos, no Ensino Simple, net o amparo legado do Decreto 5.840/2006 que institui o Programa Nacional de Integração da Educação Profissional net an Educação Básica na Modalidade p Educação de Jovens e Adultos tem como sujeitos aquelas pessoas caracterizadas pela exclusão que se inserem na educação official ou retomam os estudos, contudo inseridos no mundo do trabalho (net ocupações formais e/ou informais) net rica vivência profissional em diversas áreas, mas com pouca qualificação.

SUBSTANCE DE PESQUISA

- Os conhecimentos, habilidades, atitudes e valores a serem trabalhados pelas escolas objetivando uma educação integrated do aluno do PROEJA

A realidade dos educandos da EJA EA de cidadãos que, na idade apropriada foram alijados da educação escolar, passando vários anos afastados da mesma e que, no presente, se defrontam net um mercado de trabalho bastante exigente, em que para se conseguir um trabalho, muitas vezes, além de certificado escolar, é necessário apresentar algumas habilidades específicas e ter um conhecimento prático de como determinadas rotinas de trabalho funcionam. Para atender an essa demanda existem cursos de profissional que abrem caminho para novas de trabalho. Porém, muitas vezes, sabemos que essa alternativa , para nossos educandos, pois eles não dispõem de tempo para outra formação em outros horários fora da escola. Por isso, torna- apresentar um curso com uma proposta de que também contemple a profissional.

An opção por um é aqui como plano pedagógico, currículo integrado e sua correspondente organização institucional, que articula dinamicamente escola, ciência, cultura, trabalho, educação, prática e teoria e comunidade. As relações entre mercado e ensino, entre os problemas e suas hipóteses de solução devem ter sempre, como pano de fundo, as características sócio-culturais do meio em que este processo se desenvolve e e foco no desenvolvimento humano amplo, frente an uma sociedade EA um mercado em permanente transformação. Nessa perspectiva, E currículo integrado, suppose e trabalho como princípio educativo da organização curricular: trabalho tanto como forma de expressão caracteriza, e realização da criação humana como também enquanto concreta que sociedade atual - pela desigualdade.

Este currículo integrado é uma opção educativa que permite uma efetiva integração entre educação e prática social e profissional, articulando as diferentes disciplinas e formas de conhecimento nas práticas escolares, questionando a hierarquização de saberes e resgatando os saberes dos alunos, aproveitando os conhecimentos e habilidades adquiridas pelos educandos por meios informais, privilegiando temas adequados à sua faixa etária; atualizando metodologias e estratégias diversificadas de aprendizagem, apropriadas às necessidades e interesses dos alunos; usando recursos audiovisuais, bibliotecas, laboratórios e novas tecnologias de informação e comunicação.

Hoje, Os alunos, enfrentam a polêmica substituição do conceito pela noção de competência. As competências exigidas do trabalhador pelo modelo de baseiam-se na capacidade de pensar de iniciativa, decidir e responsabilidade, p fabricar p administrar a produção, elizabeth de consertar EA qualidade. E trabalhador é ao mesmo tempo operário p produção e, inspetor qualidade e engenheiro. Às exigências do posto de trabalho se um estado da distribuição de tarefas that is instável onde a colaboração, e engajamento EA passam a ser as dominantes. Não pode ser valorizada a dimensão da prática (saber fazer) em detrimento da foundation conceitual científica e humanista da formação do trabalhador (saber ser), que envolve dimensões cognitivas, éticas, sociais, culturais: solidariedade, iniciativa, raciocínio lógico e crítico, liderançan e trabalho em equipe, resolução de problemas, solidariedade e organização.

- Os sujeitos da EJA e os espaços escolares

Em uma comunidade de, Como educadora na EJA, participo de um projeto com uma conotação diferente inclui alunos surdos. Aprendemos muito na convivência com surdos, intérpretes, instrutores EA língua de sinais (LIBRAS). A muito rica porque é um espaço onde os alunos buscam uma qualificação para o mercado de trabalho, certificação, mas também troca de experiências EA pessoal, a socialização. O cansaço do os problemas com a família, eels se encontram na escola e onde é desenvolvida uma fértil atividade cognitiva, e encontro com os amigos, afetiva e emocional. Não concordamos net por décadas, a reducionista net que, foram olhados os alunos da EJA - incompletas – que ser superada that is precisará. A finalidade ser suprir, mas garantir direitos específicos de tempo de vida e de uma educandos. E sistema escolar continua a pensar em sua lógica e estrutura interna e nem sempre tem facilidade para abrir-se an essa pluralidade indicadores que vem da sociedade, dos próprios jovens e adultos e de outras áreas de políticas públicas. Pensamos que pensar e arquitetar a construção de uma especificidade da EJA, no conjunto das políticas públicas de afirmação de direitos e na peculiaridade das políticas educativas como um campo de responsabilidade pública trajetórias coletivas pela exclusão that is marcadas.

Os professores, gestores, especialistas e outros profissionais precisam perceber os alunos como sujeitos do saber e do conhecimento envolvidos numa proposta no qual aprender a fazer exprime não somente a qualificação profissional, mas a habilidade de enfrentar situações diversas para aprender a responder adequadamente aos novos paradigmas. An implica compor that is integração os eixos curriculares de modo que e Ensino Fundamental Integrado à Educação Profissional constitua uma oportunidade única para pensar as práticas escolares. E que se busca é garantir ao adolescente, ao jovem e ao adulto trabalhador e direito a completa para a leitura do e para a como cidadão. Projetar o aprimoramento do educando como pessoa humana relacionando a teoria net a prática.

OBJETIVOS

Objetivo Geral:

- Analisar e debater sobre an importância da implementação do an Educação de Jovens e Adultos – PROEJA to Programa de Educação Profissional Integrado net.

Objetivos Específicos:

- ciência, Compreender a entre trabalho, tecnologia e cultura. - Compeender e trabalho como princípio educativo e habilitar pessoas para o exercício autônomo e crítico das profissões

- Trabalhar com e PROEJA, na plethora da palavra: Incluir.

CRONOGRAMA

Junho

Julho

Agosto

Setembro

Outubro

Novembro

Revisão Bibliográfica

X

Preparação dos Instrumentos de Coleta

X

Coleta de Dados

X

X

Tratamento de Dados

X

Análise dos Dados

X

X

Elaboração do Relatório Final

X

X

REFERÊNCIAS

ARROYO. An Educação de Jovens e Adultos em tempos de exclusão. Alfabetização e Cidadania. São Paulo: Rede de Apoio à Ação Alfabetizadora do Brasil (RAAAB), n.11, abril 2001.

P., BOURDIEU C. Copy in community, training and tradition. Florida: Sage.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Angles da Educação Nacional (Lei nº 9394/96) Brasília, DF:20 Dez.1996.

DECLARAÇÃO P HAMBURGO e PLAN PARA O FUTURO. Conferência Internacional de Educação de Adultos. Hamburgo, Alemanha: UNESCO.

FREIRE. An educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro: 1997.

FREIRE. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: 1997, Paz e Terra.

HADDAD. Maria Clara, dI PIERO. A jovens e adultos. Rev. Brasileira de Educação. São Paulo, mai.- . n.14, 2003.

INEP(2005)

SOARES, Leôncio José. An Educação de Jovens e Adultos. Presença Pedagógica, v.2, n.11. Belo Horizonte, set./out. 1996.

V CONFITEA /1997. Declaração de Hamburgo. Plan para o futuro. SESI; Unesco Educação do d, Trabalhador. 1, 1997.